terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

      Depois de algum tempo, até demais, estou de volta com mais informações sobre os cefalópodes.
      Os animais que representão essa classe são principalmente o polvo e a lula, Peovavelmente você já viu algum deles em programas de tv sobre a vida selvagem, mais existem outros dois animais que também fazem parte dessa classe, eles são os cochos e nautilus, e apesar de serem menos conhecidos, são tãpo interessantes quanto.
      Os cefalópodes apresentam uma escelente visão, que é utilizada para localizar suas presas e depois pega-las. Logo após pegar sua presa, um caranguejo por exemplo, os cefalópodes usam os tentãculos para segura-lo e depois levar à boca, que é redonda e apresenta um bico de quitina, que é muito resistente e usado para quebrar rasgar e triturar suas presas, a boca é rodeada pelos tentáculos. Depois do trabalho de retirar a dura carapaça do caranguejo, que também é de quitina, o polvo apenas precisa engolir as partes macias do interior do crustácio.
      O que deixa os cefalópodes tão rápidos não são os seus tentáculos, como algumas pessoas pensão, mais sim um sistema de jato-propulsão, que usa a água que passa palas ventosas, que empurran-na com muita pressão, e fazem com que eles se movam muito rápido.
      Uma característica dos cefalópodes que todos conhecem é a capacidade de mudar de cor com muita facilidade, isso ocorre graças à células especiais que estão presentes na pele dos desses animais, os polvos são os que apresentam essa característica mais bem desenvolvida, essas células são chamadas de cromatóforos ou células pigmentares. Elas funcionam da seguinte maneira: elas armazenam um tipo de pigmento, de cor preta ou marrom, que apresentam certas subastâncias, omocromus ou melanimasno caso de serem as cores citadas anteriormente, que é armazenada em grânulos. Esses grânulos é que conferem uma pigmentação ou outra dependendo do impulso nervoso que é recebido. Exixtem vários tipos de cromatóforos, e variam de acordo com a substância que armazenam. E é isso que confere a capacidade de mudar de cor a esses animais.
      Agora é hora de um descamço, pois escrever muto de uma vez faz com que o texto saia ruim, e muita informação de uma vez fica cansativo. Até depois com o restante das informações sobre os cefalópodes.

2 comentários:

  1. Muito interessante, todos os assuntos aboradados.
    Voce esta de parabens.

    ResponderExcluir
  2. Olá Lucas,

    Estou aqui no sentido de parabenizá-lo pela riqueza do seu blog, e pela sua bela iniciativa. Tomei a liberdade de adicionar-me como seguidor do blog. Continue postando sempre, e brindando-nos com esta ciência cujo estudo e desenvolvimento é fundamental para a existência nossa e do nosso planeta.
    Um forte abraço,

    Oldney

    ResponderExcluir